quinta-feira, 30 de maio de 2013

MAIS INFORMAÇÕES SOBRE AS CATTLEYAS

Foto: Vai me dizer que você ainda não tem uma !!!!!  ► Cattleya aclandiae
Cattleya aclandiae
Foto: Olhando essas fotos maravilhosas e tomando um Chá Matte bem quentinho.    ► Cattleya dolosa coerulea
Cattleya dolosa coerulea
Foto: ► C. gaskelliana var coerulea
 C. gaskelliana var coerulea

Foto: Cattleya granulosa 'John Jensen'
Cattleya granulosa 'John Jensen'
Foto: ♥ C. gaskelliana var coerulea x self
C. gaskelliana var coerulea x self

Mais informações sobre as Cattleyas

Classificação infragenérica.

Lista de espécies de Cattleya.

O gênero Cattleya passou por diversas revisões no inicio deste século. Algumas de suas espécies tradicionais passaram a ser classificadas em outros gêneros e outros gêneros foram transformados em sinônimos de Cattleya. Aqui trazemos as espécies como estão classificadas hoje divididas por grupos cujos nomes são escolhidos informalmente.

CATTLEYA STRICTU SENSO:
As Cattleya, conforme sua morfologia, podem ser divididas em alguns grupos:

CATTLEYAS BIFOLIADAS:
Grupo formado por espécies geralmente altas com pseudobulbos estreitos e duas ou mais folhas na extremidade, em regra com mais flores que os outros grupos, geralmente menores e menos vistosas: C. aclandiae, C. amethystoglossa, C. bicolor, C. dormaniana, C. elongata, C. forbesii, C. granulosa, C. guttata, C. harrisoniana, C. intermedia, C. kerrii, C. loddigesii, C. porphyroglossa, C. schilleriana, C. tenuis, C. tigrina, C. velutina, C. violacea.

CATTLEYAS MONOFOLIADAS:
Grupo da Cattleya labiata, com pseudobulbos mais curtos e uma só folha no ápice. Espécies vistosas com poucas flores grandes:C. candida, C. dowiana, C. gaskelliana, C. jenmanii, C. labiata, C. lueddemanniana, C. mendelii, C. mossiae, C. percivaliana, C. rex, C. schroderae, C. trianae, C. wallisii, C. warneri, C. warscewiczii.

CATTLEYAS MONOFOLIADAS DE FLORES PEQUENAS:
C. iricolor, C. luteola, C. mooreana.

CATTLEYAS COM BROTO PARA FLORAÇÃO:
Às vezes com pseudobulbo exclusivo para floração, parecendo florescer lateralmente. Pseudobulbos curtos e ovoides com uma ou duas folhas e poucas flores vistosas: C. nobilior, C. walkeriana.

CATTLEYAS ATÍPICAS:
C. lawrenceana, C. maxima.

ESPÉCIES NÃO ESCLARECIDAS:
Possivelmente sinônimos de outros gêneros ou híbridos naturais: C. boissieri, C. herbacea, C. storeyi.

GRUPO BRASILAELIAS:
Formado por nove espécies de plantas de pseudobulbos fusiformes lateralmente comprimidos com uma folha oblonga em seu ápice, inflorescência com duas ou mais flores grandes brancas, amareladas, rosadas, lilases ou magenta. São similares ao grupo anterior exceto pelo fato de terem oito políneas:5 C. crispa, C. fidelensis, C. grandis, C. lobata, C. perrinii, C. purpurata, C. tenebrosa, C. virens, C. xanthina.

GRUPO HADROLAELIA:
Formado por seis espécies de plantas pequenas de pseudobulbos sem espata, fusiformes, lateralmente comprimidos com uma folha oblonga em seu ápice, inflorescência com duas ou mais flores comparativamente grandes brancas, rosadas, lilases ou magenta, com oito políneas:6 C. alaorii, C. dayana, C. jongheana, C. praestans, C. pumila, C. sincorana.

GRUPO SOPHRONITIS:
Formado por nove pequenas espécies epífitas, ocasionalmente rupícolas, a maioria muito similares e dificilmente identificáveis, de crescimento cespitoso, que ocorrem em áreas montanhosas e bastante úmidas, ocasionalmente mais secas da Mata Atlântica, compreendida entre o Paraguai, Argentina e o estado brasileiro das Alagoas. 


As plantas têm pseudobulbos ovais eretos e alongados, ou achatados contra o substrato, verde escuros ou acinzentados, densamente agrupados, com uma única folha carnuda, côncava, muitas vezes achatada sobre a planta. A inflorescência surge ao mesmo tempo que uma nova folha sendo que esta funciona como se fosse uma espata. A folha cresce envolvendo os botões e quando esta se abre os botões estão já prestes a abrirem também. 

Conforme a espécie a inflorescência comporta de uma a oito flores, normalmente vermelhas, mas também ocasionalmente alaranjadas, amarelas ou rosadas. As flores são pequenas, mas bastante grandes quando comparadas ao tamanho das plantas, de segmentos quase sempre bem explanados, com labelo trilobado, da mesma cor que as pétalas e sépalas com ou sem uma mancha amarelada ou rosada próxima da coluna. 

Geralmente reconhecidas por suas flores vermelhas, particularmente a Cattleya coccinea, têm sido utilizadas extensivamente para hibridação, para fornecer pequeno tamanho ou coloração vermelha à progênie, no entanto não existem registros de híbridos naturais dessas espécies. Compõe este grupo: C. alagoensis, C. bicolor, C. brevipedunculata, C. cernua, C. coccinea, C. mantiqueirae, C. pygmaea, C. wittigiana.

GRUPO MICROLAELIA:
Apresentam pseudobulbos pequenos, cilíndricos, afunilados para o ápice, bifoliados, com rizomalongo; folhas rijas, estreitas, linear-lanceoladas, um tanto acanoadas e arqueadas. inflorescência apical, curta, uniflora.


 As flores, de cor branca, com labelo trilobado, com lobo central longo, colorido de púrpura ou inteiramente branco, em forma de veias mais concentradas no centro; lobos laterais estreitos, erguidos, recobrindo a coluna. 

O lobo central é crespo e recurvado para baixo. Sépalas lanceoladas, bem explanadas, com ápice agudo. pétalas também lanceoladas, assimétricas, um pouco menores que as sépalas. Existem variedades com as flores de segmentos cerúleos ou brancos e de labelo branco. Apenas uma espécie, Cattleya lundii.

GRUPO CATTLEYA:
Caracteriza-se por seus pseudobulbos cilíndricos, unifoliados, finos e folhas rígidas, carnosas, oblongas, com ápice mais ou menos agudo, que conferem à planta uma aparência similar à de Acianthera saurocephala. 


A inflorescência é apical comumente uniflora, ocasionalmente, quando bem cultivada, com mais flores. As flores são estreladas, com sépalas estreitas, lanceoladas, as laterais assimétricas. Pétalas um pouco mais curtas e ainda mais estreitas que as sépalas, também lanceoladas, um pouco recurvadas. 

Labelo amplo, levemente trilobado, com lobos laterais envolvendo completamente a coluna, e central muito pequeno, levemente dobrado para baixo. Tanto as sépalas quanto as pétalas são marrons, com ou sem máculas amareladas ou ocres e o labelo é branco com tubo amarelado e parte frontal púrpura que se dilui para a frente em tons mais claros ou acastanhados. Apenas uma espécie, Cattleya araguaiensis.

GRUPO HOFFMANNSEGGELLA:
Composto por cerca de quarenta espécies rupícolas, de crescimento cespitoso, a maioria de áreas quentes rochosas e montanhosas do Estado de Minas Gerais, mas existem espécies desde Santa Catarina até a Bahia no Brasil. 


São plantas de tamanhos variados, com pseudobulbos aglomerados cônicos, piriformes ou ovoides, algumas vezes bastante alongados, unifoliados, raro bifoliados. folhas coriáceas, rígidas, recurvadas, mais ou menos lanceoladas. inflorescência racemosa, normalmente muito mais longa que as folhas, em regra multiflora, com flores simultâneas ou em rápida sucessão.

 As flores são estreladas, com pétalas oblongo-lanceoladas ou mesmo elípticas, de cor alaranjada ou amarela; sépalas do mesmo tamanho e cor das pétalas, as laterais falciformes ou elípticas e a dorsal lanceolada. labelo trilobado, os lobos laterais envolvendo completamente a coluna, e o mediano longo, recurvado para baixo e encrespado. 

A cor do labelo pode apresentar-se um pouco mais clara que a dos outros segmentos, mas normalmente acompanha o mesmo tom. Suas flores são muito parecidas com as do gênero epífita Dungsia que aqui também se inclui hoje, porém destas as Hoffmannseggella diferem por serem sempre plantas rupícolas de pseudobulbos mais robustos, aglomerados e curtos e inflorescência mais ou muito mais longa que as folhas.

FONTE (texto e fotos):  https://www.facebook.com/pages/Orqu%C3%ADloucos/353708144738806?hc_location=stream

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por deixar seu comentário.